quinta-feira, 16 de junho de 2011

"...Sou a emoção do perigoso, desde que eu possa cobrir o risco. Sou sorriso tímido em algumas horas e gargalhada escancarada em outras. Sou o tesão de uma missão cumprida, com gostinho de quero-mais-ainda. Sou uma piadinha boba bem contada. Sou adorar o meu trabalho. Sou falar com Deus bem baixinho à noite, e ir à igreja quando dá vontade. Sou um sorriso aberto de quem estava com saudades de me ver. Sou muitas amizades e amigos.

Sou arroz soltinho, pastel de feira, suco de laranja, acerola e goiaba Batata frita, pizza de peperoni e danoninho. E na sobremesa, eu sou um bolo de Chocolate cheio de calda. Sou muita, mas muita guloseima, de todo jeito.

Sou a minha casa mais do que a rua, sentar ao chão e ouvir a conversa dos familiares, Sou palhaçada sem limites. Sou olhar o céu do meu quarto com noite de lua cheia e estrelas brilhando, em tempo ameno, ouvindo música. Sou o meu Riso. Sou a minha cama e dormir agarrada com o travesseiro. Sou a mesa e a cadeira do computador. Sou banho gelado em dia quente. Sou esmalte azul, perfumes de bebe, Brilho de melancia, presilhas, caixinhas encapadas e aspirina. Sou sapato baixo, Rimel, lingerie de renda, short jeans e regatas. Sou pouca maquiagem, coque no dia-a-dia e cabelo solto e arrumado aos fins de semana. Sou milhares de relicários, as gavetas cheias de fotos, cartas, lembranças das quais eu não consigo me desfazer. Sou caneta preta, livro, papel.

Sou uma idéia de organização que nunca se concretiza. Sou um NÃO gigante a grande parte das regras e um boom criativo e intuitivo na maior parte das vezes. Sou uma vida lotada de amigos, um sorriso simpático, compreensão acima de tudo, um abraço inesperado. Sou dizer e ouvir palavras que emocionam.

Sou um punhado de cartas, cartões e e-mails de amor, todos longos e intensos. Sou um amor mal resolvido, e mais outro. Sou a recusa de ficar ao lado de alguém só por ficar. Sou a opção de um romantismo e sem vergonha de ser assim. Sou uma folha em branco pra desenhar e escrever o que tiver vontade. Sou segurar as lágrimas nos olhos. Sou falar sem importar, sou a verdade que muitos escondem. Sou gentilezas, carinhos e mimos. Sou dormir abraçada, um olhar arrebatador, uma palavra sussurrada no ouvido, um telefonema quente, uma brincadeira excitante, uma loucura, um beijo roubado. Sou muito, muito beijo, muito toque, muito abraço apertado, muito desejo, me entregar totalmente se me sentir segura e amada. Sou dengo até não poder mais. Sou insistir até onde aguentar.

Sou a saudade do colo da minha mãe, a saudade da risada do meu pai. Sou ficar tentando lembrar do que eu sonhei toda manhã. Sou a saudade dos meus amigos da adolescência, das escolas onde estudei e dos professores que tive. Sou a saudade de pessoas que eu amei muito e que se foram. Sou a vontade de voltar a ser uma menina quando canso de ser adulta, e sou o orgulho de ter vencido até aqui. Sou um eterno procurar o lado bom da situação, um eterno racionalizar.

Sou Chico Buarque, Renato Russo, novela das 8, dançar forró, Anne Frank, chaves, filmes, novo cinema nacional, Internet com conexão rápida e milhares de e-mails, Fernando Pessoa, LFV, música de todos os jeitos.

Não sou de jeito nenhum (por mais que eu tente): suco de Caju, açai, Esporte na TV, balada, rucula, Matematica, Sandy, noite de calor.

Sou assistir um filme debaixo da coberta num dia frio. Ligar o rádio bem alto enquanto arrumo a casa. Surpreender e ser surpreendida. Contar histórias pras crianças. Ouvir palavras doces e elogios sinceros. Comer manga lambuzando. Receber ligação no celular. Descobrir que eu estava certa. Ser desculpada quando piso na bola. Cheiro de neném..."

Um comentário:

fabiofan disse...

Belo texto você tudo

um abraço